É hora de celebrar conquistas e traçar novas metas



Desde o início desse ano, escutamos que 2016 seria um ano de travessia. Essa foi a principal mensagem para nós na primeira reunião do ano com o nosso Conselho Consultivo Innovatech.

Iniciamos o ano com a possibilidade de ocorrer o segundo impeachment no Brasil pós-ditadura. Entre janeiro e fevereiro desse ano, o Brasil era rebaixado pelas agências de rating internacionais, o dólar estava próximo de R$ 4,00, com expectativa de manter esse nível até 2017, e as expectativas de inflação para 2016 e 2017 estavam ambas acima da meta. O menor valor para crescimento do PIB veio durante o primeiro semestre: expectativa de retração de quase 4% em 2016 e crescimento de 0,3% em 2017.

Durante o ano ocorreram diversas mudanças de cenário: o impeachment da presidenta Dilma, a flutuação da taxa de câmbio entre R$ 4,10 e R$ 3,15, a recuperação do Ibovespa de 39 mil para 60 mil pontos. Em resumo, os indicadores melhoraram ao longo do ano e havia indicações de que o cenário poderia mudar. Agora, na reta final, voltamos à situação de maior incerteza, com publicações recentes questionando a recuperação da economia em curto prazo, proposições de medidas para ajuste econômico e notícias de possíveis mudanças no ambiente político. A grande lição, na nossa opinião, é que ainda viveremos um cenário complicado e incerto em 2017.

Na área florestal, de acordo com a Ibá, a indústria de celulose manteve o rendimento com exportações: deve fechar o volume exportado de 2016 maior que o ano anterior, e as empresas recuperaram os seus indicadores de rentabilidade. Os dados da SECEX mostram que a indústria de compensado também deve apresentar maior volume exportado em relação a 2015.

A indústria de siderurgia a carvão vegetal, por outro lado, apresentou outro ano de baixa recuperação (IBGE). O estoque de madeira em Minas Gerais, principal Estado produtor de ferro-gusa, cresceu mais um ano e a produção de carvão não acompanhou o incremento das florestas.

A indústria de painéis de madeira também apresentou um ano com baixa performance no mercado nacional, relacionada à baixa atividade econômica nacional e à retração do consumo das famílias. A alternativa encontrada pelas empresas foi a exportação, que cresceu mais de 60% quando comparada a 2015 (Ibá), mas essa não é, ainda, a principal vocação desse setor. A capacidade instalada ociosa ainda deve apresentar níveis preocupantes.

Para a Innovatech foi um ano de crescimento e aprendizado. Fortalecemos a nossa atuação da consultoria no agronegócio com novas parcerias nos setores de fertilizantes, defensivos, corretivos de solo, entre outros. Ainda aumentamos o nosso portfólio de projetos de planejamento estratégico e a análise de investimento no agronegócio. A área de gestão também apresentou resultados importantes. Em mais um ano consecutivo, alcançamos a nossa meta de manter os custos florestais abaixo da inflação, presentando uma inflação florestal expressivamente abaixo do IGP-M durante os quatro anos de projeto. Iniciamos a gestão de operações no agronegócio em áreas de pastagem e estamos nos preparando para o início da gestão agrícola. Por último, estabelecemos projetos de gestão de indicadores de performance com instalação de painéis de acompanhamento com acesso móvel.

Para aqueles que atravessaram a ponte, 2016 certamente foi um grande desafio. Durante a travessia, entretanto, é fácil perdermos a visão de médio e longo prazo em detrimento de ações que capturem resultados no curto prazo e aumentam o caixa da empresa. Porém, para aqueles que acreditam em estratégia e gestão baseadas em valor, é hora de retomar e intensificar os trabalhos. Premissas mudaram, perspectivas sobre o mercado foram alteradas e a situação financeira é outra. É hora de revisar o planejamento estratégico, refletir sobre as alavancas do EVA (elevação de receitas, redução de custos e despesas operacionais, redução da base de ativos operacionais e redução do custo de capital) e retomar os fundamentos da gestão financeira e da análise de liquidez. É o momento de rever planilhas e traçar os planos de ação para 2017, com base em novos cenários, riscos e incertezas.

Seguindo a tradição de fim de ano, finalizamos as nossas avaliações sobre o ano seguinte e, internamente, o trabalho de revisão do planejamento estratégico plurianual e o orçamento para 2017.

Se você estiver buscando uma companhia para refletir sobre cenários e oportunidades, que tal passar no nosso escritório para um café com estratégia?

Um bom início de ano a todos!

Daniel Bouchardet é Consultor de Negócios da Innovatech.